sexta-feira, 22 de abril de 2011

Pecados Íntimos

Quero expor aqui algumas considerações a respeito do Filme Pecados Íntimos



Título original: (Little Children)
Lançamento: 2006 (EUA)
Direção: Todd Field
Atores: Kate Winslet, Patrick Wilson, Jennifer Connelly, Gregg Edelman.
Duração: 130 min
Gênero: Drama
Fonte: http://www.adorocinema.com/filmes/pecados-intimos/

O filme é realmente interessante. Ele chama atenção para as relações que podem se construir dentro de qualquer cotidiano. A história de dois casais, cada um com seus respectivos filhos. Kate Winslet (Sarah) é uma mãe pacata e solitária que tenta se divertir com sua filha, enquanto que Patrick Wilson (Brad)  é um pai desempregado que mantem seu cotidiano em passeios pelo parque com seu filho Aaron. Tanto Sarah quanto Brad passam a frequentar o mesmo parquinho onde com o tempo vão formando laços de amizade e certa intimidade. Em um desses encontros inesperados, os dois se beijam para distrair outras mulheres que ali se encontravam no parque, o que eles não sabem é que aquele ato "inocente" passa a ressoar nas mentes de ambos. 
Acontece que os dois começam a se encontrar e mantem essa relação sexual entre os dois como algo voraz e enlouquecedor. É interessante perceber, como dentro destas relações tantas outras vão se estabelecendo formando uma teia de acontecimentos, por vezes, previsíveis. A "relativização" da felicidade esta presente entre os dois casais. De um lado, uma mulher belíssima que sustenta a família, de outro, um homem bem sucedido que não oferece sensibilidade a sua esposa. 
Os atos "inpensados", neste filme, atentam para o fato de que os acontecimentos possuem causas e consequências, leveza e urgência. Vários outros casos se estendem pelo filme, como o de um homem que começa a perseguir um pedófilo, chamando a atenção da população para afastá-lo e denegrí-lo perante a vizinhança do bairro. Se formos aqui relatar as árvores que podemos construir neste filme, compreenderíamos melhor como se dá a construção do homem e seu posicionamento no mundo. Mas peço que assistam ao filme para que questionem também. Quero apenas fazer ressalvas para a paixão, o tesão e a felicidade. É possível ser feliz num mundo tão doente como este? É possível deslocar sua visão do outro para compreender a si mesmo? É possível enlouquecer em uma paixão proibida e manter o controle sobre ela? É por acaso que as coisas acontecem? Existe algum fato que comprove, nem que seja empiricamente, que os atos de cada ser humano são regidos por outros atos de tantos outros ao mesmo tempo? Pois bem, a teia está lançada. Cabe a cada um assistir ao filme e pensar sobre ele. Quanto ao final... 
Faça você o seu!

Por Ana Paula Morais s

terça-feira, 19 de abril de 2011

coração em alegoria

E o meu coração está vibrando.
Vibrando por todos os meus defeitos, vibrando por todos os que não tem o prazer de sentir amor.
Vibrando pelas tolices que insistimos em reclamar.
Vibrando pela agonia em querer descansar.
Vibrando pelas cores que o corpo deseja.
Vibrando pelos seus sorrisos, 
vibrando pela sua paz consigo,
vibrando pelos seus olhos em mim.
E faz de conta...
Faz de conta que o mau regride,
faz de conta que a paz progride,
faz de conta que os anjos existem,
faz de conta que os demônios também.
Faz de conta que a paixão é mentira,
faz de conta que não é você que eu quero bem.
E me beije ponta a ponta...
E me beije querendo,
e me beije sem querer.
E me beije chorando,
que sorrirei com você!
Minha flor, meu bebê!



Por Ana Paula Morais.

terça-feira, 5 de abril de 2011

D De Desejo

Que a alegria do seu sorriso arranque outros tantos por onde passar.
Que o desejo de força esteja presente em cada passo dado e pensado.
Que a sua presença seja tão plena que sua respiração lhe permita se perceber assim.
Que seus olhos sejam tão sinceros que suas palavras sejam desnecessárias.
Que seu colo acalente toda e qualquer pessoa que dele precisar se abastecer.
Que seu calor aqueça e traga aconchego aos amigos que dele precisar.
Que seus dedos segurem a fé que você traz nas mãos.
Que seu coração seja brando e terno nos seus quereres.
Que sua alma seja leve e una em seus anseios.
E que você, seja fiel aquilo que acredita e aquilo que sonha. 
Porque das nossas vontades serão construídos os mais belos caminhos de luz e paz,
de cor e oração, de mente e união, de você e de Deus!


Por: Ana Paula Morais