sábado, 13 de agosto de 2011

sementes, sem mente.

Com algumas conchas fiz um colar. Ele parecia sem nexo ou beleza externa, mas fiquei contemplando-o enquanto não fechava seu encaixe. Pensei nas coisas que perdemos ou na importância que não damos ao que não nos atrai sexualmente ou fisicamente. E percebi que essas perdas aparentemente infantis nos tornam fortes como qualquer outro que percebeu tal situação. Não é preciso saber fechar o colar e sim entender a importância que você deu a ele. Catei as conchas. Fechei o círculo. Por hoje perdi os estímulos.

Por Ana Paula Morais